Septoplastia Cirurgia de Desvio de Septo – Como é feita, Detalhes

Pascal, filósofo e matemático francês, famosamente comentou, para exemplificar o papel do acaso nos assuntos humanos, que, se o nariz de Cleópatra fosse um pouco menor, o mundo teria seguido um caminho completamente diferente. A pergunta é: e se ela tivesse feito uma cirurgia de desvio de septo? Este tipo de indicação médica serve tanto para os casos estéticos como quem tem problemas respiratórios.

Evidentemente, nem todos os narizes têm a importância histórica do de Cleópatra, rainha egípcia, amante de César e de Marco Antônio. Mas, ainda assim, eles têm importantes papéis funcionais e estéticos. Não é, pois, de espantar que a ciência médica tenha criado intervenções cirúrgicas que permitem melhorar a obra da natureza ou do acaso (em casos como acidentes).

Entre as cirurgias mais comumente feitas no nariz estão a cirurgia de correção de septo nasal, a septoplastia, e a de correção das conchas nasais, a turbinectomia. Essas cirurgias visam diminuir a dificuldade de respirar ou até como uma cirurgia plástica para a correção da estética. Veja a imagem abaixo, como além de melhorar os sintomas pode deixar a face mais simétrica.

Desvio de septo nasal Quando fazer cirurgia?

O septo nasal é uma estrutura que separa a narina direita da narina esquerda. Ela é formada por ossos e cartilagem e, como o resto do interior do nariz, é revestida de um tecido chamado mucosa nasal. Em algumas pessoas, o septo é torto, o que é chamado de desvio de septo. O desvio é um problema que pode ser apenas estético ou de saúde, dificultando a respiração e agravando os sintomas da rinite e sinusite, por exemplo.

Além de, em certos casos, comprometer a harmonia estética desta parte do corpo, essa condição pode causar problemas respiratórios, pois ela restringe o espaço para passagem de ar em uma das narinas. Trata-se de uma das mais comuns causas de obstrução nasal. É o desvio que impede que muitos pacientes respirem de forma adequada, comprometendo o bem estar. A Academia Brasileira de Rionologia diz que 20% dos brasileiros sofrem com esse mal.

O desvio de septo pode ser identificado por um otorrinolaringologista, que usa o espéculo nasal, instrumento que lhe permite estudar o interior do nariz do paciente. Mesmo que não seja aparente por fora, o desvio é facilmente identificado com o uso do aparelho. Entre seus possíveis sintomas, estão além de dificuldades respiratórias (inclusive em manifestações como a apneia do sono e respiração pela boca), ronco, pigarro e dores nos seios paranasais. Em alguns casos respirar pelo nariz com as duas narinas é completamente inviável, já que as fossas nasais podem ficar muito obstruídas.

O desvio pode ser congênito,  manifestar-se durante o processo de crescimento dos ossos da face ou pode ser produzido por acidentes, inflamações, processos alérgicos e cirurgias. A septoplastia é recomendada para resolver o problema do desvio de septo. No primeiro caso, a correção do desvio pode ser feita no final da adolescência. Em crianças a necessidade cirúrgica pode aparecer após o crescimento.

Quando a cirurgia é só uma questão estética, sem ter problemas claros de assimetria no septo o nome do procedimento é outro, chama-se rinoplastia (confira aqui detalhes). O procedimento está também relacionado ao desvio e cirurgias dessas podem causar uma maior satisfação do paciente com sua própria aparência. O septo não necessariamente causa os sintomas que afetam a saúde, então é feita a cirurgia, dependendo do grau do desvio, para que o rosto se torne mais harmonioso.

Cirurgia de septoplastia e turbinectomia Como é feita?

Como dito acima, as cirurgias realizadas para corrigir o desvio do septo nasal e corrigir a hipertrofia das conchas nasais são chamadas, respectivamente, septoplastia e turbinectomia. Essas duas operações podem, quando as duas condições coexistirem no mesmo paciente (o que é comum), ser associadas: ao procedimento resultante, chama-se cirurgia de septoplastia e turbinectomia.

O septo nasal  é revestido pela mucosa nasal, a qual tem que ser erguida, de maneira a permitir o exame do septo e a localização e avaliação das anomalias que apresenta. Depois que seções do septo nasal são remodeladas ou extraídas, a mucosa nasal é colocada no lugar e suturada.

A turbinectomia, por sua vez, consiste na remoção do excesso de concha nasal. Isoladamente, a cirurgia não costuma levar muito mais do que meia hora. A combinação com a septoplastia costuma durar cerca de uma hora e meia. A cirurgia de septoplastia e turbinectomia é feita  com anestesia geral e realizada em hospital. A cirurgia do septo nasal pode causar hematomas na face, que duram poucos dias. Os pacientes costumam ser liberados irem para suas casas no mesmo dia da cirurgia, a não ser que ocorra alguma complicação

Cabe ao médico definir quais os cuidados pré-operatórios a serem tomados pelo antes do procedimento cirúrgico. Entre os mais costumeiros estão o jejum nas oito horas que precedem a cirurgia (incluindo abster-se de água), comunicar ao médico qualquer medicamento que esteja usando (especialmente anticoagulantes), levar um parente ou amigo para acompanhá-lo e levar consigo os exames que foram solicitados pelo médico.

Costuma-se exigir uma avaliação anestesiológica além de exames pré-operatórios, que variam dependendo do paciente. Entre os exames mais comumente solicitados no período que precede a cirurgia, estão o coagulograma e o hemograma. É importante fazer todos os exames para averiguar se não há fatores que podem causar complicações.

Confira abaixo o passo a passo de como é feito a cirurgia. Cuidado, as imagens podem ser fortes!

Pós-operatório Dói? Quanto tempo dura?

Após a realização da cirurgia, o paciente chega a seu quarto lúcido e fica na clínica por volta de 2 horas. Se não surgir nenhum imprevisto, o paciente pode, depois desse período, voltar para sua casa. Você pode sentir dificuldade na respiração. É a obstrução causada pelos curativos nas fossas nasais, que serão removidos após aproximadamente 15 dias da cirurgia.

Avanços técnicos, como a introdução no procedimento de endoscópios e câmeras, facilitaram a visualização das estruturas envolvidas no procedimento e tornaram dispensável na maior parte dos casos o uso, no pós-operatório de tampão nasal, recurso que acrescentava incômodo a esse período.

Cabe ao médico estabelecer quais os cuidados a tomar no pós-operatório, mas, entre os mais frequentemente prescritos, podem ser mencionados não sair de casa até a primeira volta ao consultório, guardar repouso absoluto (preferencialmente, deitado com cerca de três travesseiros), evitar atividades como assoar o nariz, abaixar a cabeça, comer comidas quentes ou  que  exijam  mastigar muito.  Também costuma ser prescrita uso de antibiótico e hábito  de lavagem  nasal n os primeiros dias pós-cirurgia.

A cirurgia de septoplastia e turbinectomia é realizada em hospital, sob anestesia geral e com duração aproximada de 1h 30 min. Antigamente, era muito comum o uso do tampão nasal, que provocava bastante desconforto no pós-operatório. Porém, hoje em dia, com o uso dos endoscópios e câmeras nas cirurgias para melhor visualização das estruturas, este tampão nasal não é mais utilizado de rotina, promovendo um pós-operatório muito mais tranquilo e sem praticamente nenhum tipo de dor.

Preço

Isolada, a cirurgia de turbinectomia costuma custar entre R$ 2.000 a 5.000. O procedimento de septoplastia , por sua vez, varia entre R$ 2.000 a 4.500 reais. O SUS (Sistema Único de Saúde) realiza gratuitamente ambos. Há poucas informações quanto ao custo, na rede particular, dos dois procedimentos associados, uma vez que dependente bastante do profissional que a realizará.